Blogue de uma Encarregada de Educação

Arquivos

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

A Ver:

Posts recentes

Há algumas coisas que me ...

Coisas que nunca mudam

Professores portugueses s...

O medo dos pais

Sugestão

Curiosidades...

Férias e muita brincadeir...

"Apenas" uma sondagem

Maria de Lurdes Rodrigues...

Hoje não aplaudo o Minist...

Associações de Pais e Enc...

Bitaites há muitos. Opini...

Homenagem aos bons profes...

Maria de Lurdes Rodrigues...

Sindicatos dos professore...

Educação e Cidadania anda...

A Memória Curta e os Sind...

Debate Nacional sobre Edu...

Dar Futuro ao Interior / ...

Concessão de equivalência...

Explicações : ou a insufi...

Ainda as Tecnologias

Novas Tecnologias

Professores incapacitados

Ainda sobre euros - Refei...

Apenas algumas das mudanç...

Porque estou contente com...

Firefox

Firefox

Contador

Posts favoritos

Apenas algumas das mudanç...

Maria de Lurdes Rodrigues...

Bitaites há muitos. Opini...

Professores incapacitados

Educação e Cidadania anda...

Dar Futuro ao Interior / ...

Terça-feira, 18 de Julho de 2006

Professores incapacitados

Ficámos a saber os números. Eu confesso que não me surpreendi. O que me surpreendeu, francamente, foi a falta de vergonha dos sindicatos e a lata ilimitada de alguns partidos da oposição.


Temos então 2.500 professores incapacitados de leccionar por questões de saúde, maioritariamente por questões de saúde mental. (Mas que continuam aptos a desempenhar outras funções que não a docente).


O Governo fez então a proposta que os muitos acharam indecente:   que sejam integrados noutros serviços da Administração Publica. (Até o Ministério da Cultura já veio propor integrar 700 desses profissionais nos quadros dos organismos tutelados pelo Ministério da Cultura, como museus e palácios, sendo que assim estes docentes terão oportunidade de progredir noutra carreira). Em rigor, nem podemos falar de 2.500 professores, pois 10% desses profissionais estão impedidos de dar aulas devido a doenças oncológicas ou degenerativas e, quanto a estes, o Ministério decidiu que a escolha de uma nova carreira na função pública é opcional, sendo que podem continuar a trabalhar na escola.


Para além desses, só este ano lectivo, estiveram outros 3.000 docentes sem poderem dar aulas por terem estado incapacitados temporariamente. Contudo estes não estão abrangidos pela proposta; afinal trata-se de uma "incapacidade temporária"...


A proposta parece de elementar bom senso. Alguém pode considerar justo que estes Srs. "professores" que não trabalham, que não estão a fazer qualquer outra função útil para a sociedade, sejam remunerados como os seus colegas que efectivamente exercem e, como se não bastasse, ainda possam progredir automaticamente nas carreiras em função da antiguidade? Estamos a esquecer que esses ordenados são pagos por todos os contribuintes?


Os sindicatos entraram na habitual histeria. O Sr. Paulo Sucena disse cobras e lagartos da proposta. Sim, não fosse o Ministério meter-se também com as centenas de professores que estão em tempo integral a serviço dos sindicatos e que não leccionam há décadas, como parece ser o caso dele...enfim. Felizmente parece que a coisa vai para a frente. Esta gente não percebe que se a imagem deles está a ficar "pelas horas da morte" deve-se a estas e outras reacções sem qualquer bom senso.


Eu conheço uma professora que este ano lectivo fez parte dos 3.000 declarados incapacitados temporariamente. A Sra. em causa tentou boicotar por todos os meios (inclusive pressionando os próprios colegas) o funcionamento do prolongamento do horário do 1.º ciclo. A tentativa de pressão sobre os pais, então, foi indecorosa, chegando a ameaça-los de que se algo acontecesse às crianças entre as 15h e as 17h 30, a culpa era deles, e a escola não se responsabilizava pela sua segurança...enfim. Como já se adivinha não conseguiu boicotar coisa alguma e por isso declarou a alto e bom som perante uma plateia de pais a sua decisão:   que se ia embora, que "não estava p'ráquilo", que para o ano "ia p'rá reforma" e que por isso "não estava p'ra aturar isto".


A Sra. foi para casa. Quando eu soube ainda ponderei fazer ou não queixa dela. Afinal a baixa era fraudulenta. Mas rapidamente percebi. Qual queixa, qual quê...antes ela a enganar os contribuintes portugueses (assim como assim, era só mais uma) do que ter aquela pessoa na escola a "ensinar"  duas dezenas de criancinhas que tinham todo o direito a melhor companhia. Assim como assim achei que a baixa psiquiátrica lhe assentava que nem uma luva...e optei por livrar as 20 criancinhas do martírio.

sinto-me:
publicado por uma E.E. às 20:34
link do post | COMENTAR | favorito
|

mais sobre mim

Menu

1.º ciclo

1.º post

Adenda ao 1.º Post

Associações de Pais

Avaliação

cavaco silva

cidadania

curiosidades

debate nacional sobre educação

encerramento de escolas

ensinar e meritocracia

escola

exames de Química 12.º

faltas

Ministra da Educação

mudanças

opinião

pais

parecer

paulo sucena

professores

prolongamento do horário

Refeições escolares

sindicatos

sondagem

tecnologias

todas as tags

Pesquisar neste blog

 

Setembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

subscrever feeds

blogs SAPO