Blogue de uma Encarregada de Educação

Arquivos

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

A Ver:

Posts recentes

Curiosidades...

Homenagem aos bons profes...

Sindicatos dos professore...

Dar Futuro ao Interior / ...

Concessão de equivalência...

Professores incapacitados

Ainda sobre euros - Refei...

Apenas algumas das mudanç...

Firefox

Firefox

Contador

Posts favoritos

Apenas algumas das mudanç...

Maria de Lurdes Rodrigues...

Bitaites há muitos. Opini...

Professores incapacitados

Educação e Cidadania anda...

Dar Futuro ao Interior / ...

Terça-feira, 29 de Agosto de 2006

Curiosidades...

Ainda estamos de férias, mas tinha de vir aqui contar umas "curiosidades". Ontem à noite jantámos com um casal de suecos e um casal de franceses. Sendo que a mulher francesa era professora e todos temos filhos, foi inevitável a  conversa acerca da escola.

Nunca tive tanta dificuldade para fazer alguém entender o que eu dizia. E garanto-vos que o problema não estava nos idiomas falados!

Tentava eu explicar as polémicas resultantes da introdução do prolongamento do horário escolar no 1.º ciclo do ensino básico, assim como as polémicas sobre as aulas de substituição...

Foi tremendo.

Não sendo eu uma "especialista" desta área, nem uma profissional da educação (sim...que as duas coisas, decididamente, não se confundem!), pois sabem os caros leitores que nesta matéria sou apenas uma Encarregada de Educação, nunca me informei acerca de como se passavam as coisas noutros países...Se eu soubesse onde me estava a meter teria ficado calada. Acontece que passei o tempo a tentar fazer entender O PORQUÊ da reacção dos professores a estas medidas...e não devo correr muitos riscos de me enganar se disser que foi em vão, pois nenhum entendeu como estas mudanças não poderiam ser pacificas.

Já perceberam, portanto, que fiquei a saber que nos países deles estas duas realidades são indiscutíveis! O prolongamento, por exemplo, é até às 18 horas e há tanto tempo que existe que eles nem sabiam responder quando começou. A seguir às aulas, as crianças têm  desporto, tecnologia, artes plásticas...  Senti-me um bocadinho "mulher das cavernas" por no meu tempo a escola publica deixar-me sair do seu espaço quando eu muito bem entendia (coisa que, felizmente, já não se passa hoje), assim como por os nossos filhos, até esta ministra da educação, serem expulsos da escola a partir das 15 horas , como se os pais não trabalhassem, como se não tivessem de trabalhar...

E porque este post apenas trata de curiosidades, sabiam que em França os professores apenas ganham 12 salários por ano? Eu não. Ou seja: que não recebem 13.º mês, nem subsídio de férias? Sabiam que têm reuniões com os E.E. trimestralmente, das 17h 30m às 21h 30m (!), para que não colidam com o horário profissional dos pais? E que até ao 9.º ano (o equivalente ao nosso 9.º ano, melhor dizendo) o Director de Turma tem reuniões com os pais ao Sábado de manhã (!), pela mesma razão, com o objectivo de dar os boletins das notas no final do trimestre e falar individualmente acerca dos alunos? E voltando aos salários, fiquei a saber que um professor com 12 anos de serviço e 18 horas semanais aufere 2 mil euros... Ora, sabendo que só têm 12 salários por ano, foi a minha vez de me encher de orgulho nacional e afirmar que ganham mais cá... Ainda por cima,  trabalham no feriado do Corpo de Deus e não é pago!!!

Chega de escrita e vou apanhar sol com os petizes. Boas férias!
sinto-me:
publicado por uma E.E. às 10:10
link do post | COMENTAR | ver comentários (20) | favorito
|
Domingo, 30 de Julho de 2006

Homenagem aos bons professores

Na sequência do comentário da leitora “cidadã consciente” publicado meu post “Educação e Cidadania andam de mãos dadas” decidi, conforme lhe digo na minha resposta, escrever sobre os bons profissionais, pelas razões que enunciei então, na resposta a esse comentário.

 

Por isso publico aqui, em homenagem aos professores fantásticos que tive, aos outros que no mesmo local refiro e a todos os que andam por aí e que espero que sejam muitos… uma crónica assinada pelo Prof. Doutor Daniel Sampaio, Professor da Faculdade de Medicina de Lisboa, e que penso dispensar mais apresentações.


SOU UM PROFESSOR SÓ

Meu velho:

Desculpa estar sempre a mandar e-mails com as chatices da escola, mas és a única pessoa com quem posso desabafar sem problemas. Estou numa escola que conheces e, pelo que descreveste, pouca coisa mudou. A única diferença é que agora somos obrigados a estar mais horas e a confusão é grande. Imagina que se faz fila à porta do CE e que nos mandam dar aulas de substituição nas escolas do agrupamento, incluindo a do primeiro ciclo! Muitos colegas andam revoltados e os alunos não aceitam com facilidade um professor que não conhecem.

Eu vou fazendo pela vida. Não sou capaz de alinhar com os protestos, fiz greve apenas para não dar nas vistas; mas também sinto que as coisas precisam de ser melhoradas e por isso escrevo. No teu último mail recomendavas que me concentrasse na função actual do professor. Podes crer que fiz o TPC e aqui vai.

Sabes, António, sempre desejei ser professor. Quando era criança, inventava aulas a partir de um quadro preto que o meu Padrinho me tinha dado: explicava os meus próprios trabalhos a alunos imaginários, conversava com eles e até lhes ralhava. Fui para Estudos Portugueses porque sempre adorei ler e queria partilhar esse gosto com gente mais nova, depois fiz muitas acções de formação (com e sem créditos) para ver se ensinava melhor, estou na terceira escola e não quero desistir. Sabes o que não quero abandonar? O meu gosto em estar com crianças e jovens, nas diversas situações que ocorrem numa escola. Gosto de dar aulas, sobretudo quando consigo transformar a turma num grupo de trabalho e ponho toda a gente a participar. Adoro colaborar com a Associação de Estudantes e, bem ao contrário de ti, até tenho paciência para ouvir os pais, que recebo muitas vezes. Tenho muitas dificuldades, como sabes: os alunos têm poucas regras, sabem muito pouco e só falam em 'curtir', por isso às vezes me interrogo sobre o caminho a seguir. Com franqueza te confesso: sinto-me um professor só, às vezes quase um ET no meio da confusão, mas quero que me entendas. O meu lema é aproveitar TODAS as oportunidades para estar com os alunos, continuo com a ideia firme de que tenho coisas para lhes dizer e de que eles terão o maior gosto em estar comigo. Detesto quando os meus colegas (até tu) se põem a dizer mal de 5 mais novos, que não têm maneiras, que são ordinários ou desmotivados que parecem loucos. O nosso papel, a essência da nossa profissão não é justamente ajudá-los a crescer, escutá-los de forma activa, evitai que deixem a escola ou impedir que a frequentem sem sucesso? Posso dormir descansado quando cerca de 30% dos alunos da minha escola não completam o Secundário?!

Meu caro, não posso concordar com os colegas que dizem que estar com miúdos pequenos é ser 'ama-seca' ou 'entertainer'. Para mim, é uma ocasião que não posso perder: quero ouvi-los sobre as suas questões, auscultar os seus pontos de vista, ajudá-los a estudar, brincar com eles de forma organizada. No dia em que me convencer que os alunos do meu agrupamento, de todas as idades, se recusam a estar comigo, abandonarei a escola, porque de facto o meu ofício deixou de fazer sentido.

Estou de acordo que muito há a fazer para melhorar a confusão actual. As coisas precisam de ser mais bem explicadas e sobretudo melhor aplicadas. Mas recuso-me a cruzar os braços e a confessar que não sou capaz de falar com uma sala cheia de jovens desconhecidos. Mesmo que eles não me queiram à partida, não concordo: educar é também dizer não e acredito que tenho muita coisa para lhes dar. Responde depressa.
 
Um abraço, Hugo.


Esta Crónica foi publicada na Revista XIS, Jornal Público, a 03-DEZ-2005, e pode ser lida aqui.


sinto-me:
publicado por uma E.E. às 14:58
link do post | COMENTAR | ver comentários (2) | favorito
|
Quinta-feira, 27 de Julho de 2006

Sindicatos dos professores

Encontrei um texto engraçado, que julgo importante porque transmite o que muita opinião pública sente. Pelo menos é o que me dizem muitos pais já cansados de irem por os filhos à escola e não terem professor.

Numa época em que muitos portugueses andam à cata de situações ilógicas e abusivas foi um erro a estratégia de terra queimada adoptada pela FRENPROF; os sindicalistas dos professores sabem muito bem quantas horas de aulas dão muitos professores, como são feitos os horários, como são feitas as turmas e quantas horas semanais trabalham a maioria dos professores. O resultado foi o que tiveram de ouvir do Presidente da República e o facto de muitos portugueses apontarem o dedo aos professores devido ao vantajoso estatuto, sendo inevitável a sua associação à má qualidade do ensino e ao insucesso escolar. Muitos dos professores dos ensino básico e secundário portam-se como professores universitários, vão às escolas dois ou três dias, dão umas quantas aulas e seguem para as suas vidas à espera que cheguem as suas férias prolongadas.


Texto retirado de “O jumento”, um dos blogs mais populares da blogosfera. É impressão minha ou ele já foi professor? Será que sabe do que fala?


Bem, mas eu acrescento que não são todos...são só alguns. Na escola de um dos meus educandos ainda no 1.º ciclo, por exemplo, o professor dele nunca faltou (bem haja!). Acreditem ou não...todos os outros, mas mesmo todos os outros docentes daquela escola, estiveram largos meses de baixa (e nas mesmas turmas chegámos ao ponto de termos 3 professores diferentes neste ano lectivo). Deve ter sido só azar!
sinto-me:
publicado por uma E.E. às 08:33
link do post | COMENTAR | favorito
|
Domingo, 23 de Julho de 2006

Dar Futuro ao Interior / Reordenamento das Escolas do 1.º Ciclo

Muita polémica tem gerado o encerramento de escolas. Como sempre, fazer demagogia é fácil, é barato e no caso de alguns até dá milhões! No caso dos Sindicatos e “dos professores” (alguns, meus senhores, alguns: não são todos…), pois claro, esses milhões são traduzidos nos lucros mediáticos que resultam de mais uma campanha contra a Ministra que não gostam apenas porque um dia tocou nos seus interesses, corporativos, e isso não lhe perdoam.


Em 2001/2002, 29,1% das escolas do 1.º Ciclo (2420 escolas) tinham uma frequência inferior a 11 alunos!


Alguém acredita, se estiver sinceramente preocupado com a educação das nossas crianças, que isso pode ser bom, razoável ou sequer aceitável para algum aluno?

Nem vou falar em números e nas dificuldades/impossibilidades no que diz respeito à degradação das instalações, à falta de espaços e à inexistência de refeitórios, bibliotecas ou ginásios, equipamentos necessários ao sucesso das aprendizagens.


Para mim, ainda que as condições físicas fossem perfeitas (e não o são, nem há condições para virem a ser) persistiam as principais preocupações:


Que efeitos tem numa criança o isolamento social, cultural? A falta de convívio com gente diferente, com costumes diferentes, com gostos diferentes? Que efeitos tem o facto de partilharem o mesmo professor com alunos de anos diferentes? (Gentes/pais que ainda lhes fornecem, muitas vezes, vinho ao pequeno almoço e cuja actividade lúdica consiste em levar as crianças à missa no Domingo). Que efeito tem verem as mesmas caras, as mesmas pessoas, os mesmos montes, as mesmas ovelhas, dia e noite, dia após dia? Perdoem, mas isto até me faz lembrar a Heidi que nem sequer era portuguesa…e não consta que tivesse encarregado de educação, a não ser um avozinho já mais para o cego…!


Espero que esta Sra. Ministra não volte nem uma linha atrás nos seus propósitos, para que acabe com este factor de atraso e de bloqueio social e cultural das gerações que  habitam esse interior de Portugal.



Por mim, quem devia ir para o interior despovoado era o Sr. Paulo Sucena (senhor muuuuiiiito preocupado com as assimetrias regionais e com as desigualdades sociais, eheheh)…rodear-se de mais uns 10 colegas parecidos com ele (candidatos não faltam por aí) e deixavam-nos a nós em sossego…Desculpem lá, mas sonhar nunca fez mal a ninguém!


 

sinto-me:
publicado por uma E.E. às 13:00
link do post | COMENTAR | ver comentários (9) | favorito
|
Sábado, 22 de Julho de 2006

Concessão de equivalência de Habilitações Estrangeiras

Por razões do foro pessoal vi-me obrigada a procurar informações acerca do regime de equivalência de habilitações para cidadãos estrangeiros num determinado país estrangeiro, ou seja: procurei saber qual é o quadro legal que enquadra a situação dos alunos portugueses que vão para esse determinado país estudar, ainda no ensino básico.

 
Posso dizer que fiquei e estou muito apreensiva. Não encontro qualquer item que me entusiasme, pelo contrário. Só encontro dificuldades. Estamos numa aldeia global mas ainda há coisas muito difíceis de concretizar.


Por curiosidade apenas, então, decidi procurar saber como se passam as coisas ao contrário, ou seja: como “se amanham” os estrangeiros que vêm viver para Portugal com filhos na escola básica.


Encontrei assim mais um trabalho desta Ministra da Educação que quero louvar aqui. As razões são várias e, para quem sabe do que falo, dispensa mais comentários. Podem ver o Decreto-Lei n.º 227/2005  clicando aqui.


Nota: Gostava de saber porque é que eu, normalmente atenta ao que diz a comunicação social, nunca tinha ouvido falar deste assunto, e estamos a falar de um trabalho já de Dezembro de 2005. O que é bom não gera notícia?

sinto-me:
publicado por uma E.E. às 13:43
link do post | COMENTAR | favorito
|
Terça-feira, 18 de Julho de 2006

Professores incapacitados

Ficámos a saber os números. Eu confesso que não me surpreendi. O que me surpreendeu, francamente, foi a falta de vergonha dos sindicatos e a lata ilimitada de alguns partidos da oposição.


Temos então 2.500 professores incapacitados de leccionar por questões de saúde, maioritariamente por questões de saúde mental. (Mas que continuam aptos a desempenhar outras funções que não a docente).


O Governo fez então a proposta que os muitos acharam indecente:   que sejam integrados noutros serviços da Administração Publica. (Até o Ministério da Cultura já veio propor integrar 700 desses profissionais nos quadros dos organismos tutelados pelo Ministério da Cultura, como museus e palácios, sendo que assim estes docentes terão oportunidade de progredir noutra carreira). Em rigor, nem podemos falar de 2.500 professores, pois 10% desses profissionais estão impedidos de dar aulas devido a doenças oncológicas ou degenerativas e, quanto a estes, o Ministério decidiu que a escolha de uma nova carreira na função pública é opcional, sendo que podem continuar a trabalhar na escola.


Para além desses, só este ano lectivo, estiveram outros 3.000 docentes sem poderem dar aulas por terem estado incapacitados temporariamente. Contudo estes não estão abrangidos pela proposta; afinal trata-se de uma "incapacidade temporária"...


A proposta parece de elementar bom senso. Alguém pode considerar justo que estes Srs. "professores" que não trabalham, que não estão a fazer qualquer outra função útil para a sociedade, sejam remunerados como os seus colegas que efectivamente exercem e, como se não bastasse, ainda possam progredir automaticamente nas carreiras em função da antiguidade? Estamos a esquecer que esses ordenados são pagos por todos os contribuintes?


Os sindicatos entraram na habitual histeria. O Sr. Paulo Sucena disse cobras e lagartos da proposta. Sim, não fosse o Ministério meter-se também com as centenas de professores que estão em tempo integral a serviço dos sindicatos e que não leccionam há décadas, como parece ser o caso dele...enfim. Felizmente parece que a coisa vai para a frente. Esta gente não percebe que se a imagem deles está a ficar "pelas horas da morte" deve-se a estas e outras reacções sem qualquer bom senso.


Eu conheço uma professora que este ano lectivo fez parte dos 3.000 declarados incapacitados temporariamente. A Sra. em causa tentou boicotar por todos os meios (inclusive pressionando os próprios colegas) o funcionamento do prolongamento do horário do 1.º ciclo. A tentativa de pressão sobre os pais, então, foi indecorosa, chegando a ameaça-los de que se algo acontecesse às crianças entre as 15h e as 17h 30, a culpa era deles, e a escola não se responsabilizava pela sua segurança...enfim. Como já se adivinha não conseguiu boicotar coisa alguma e por isso declarou a alto e bom som perante uma plateia de pais a sua decisão:   que se ia embora, que "não estava p'ráquilo", que para o ano "ia p'rá reforma" e que por isso "não estava p'ra aturar isto".


A Sra. foi para casa. Quando eu soube ainda ponderei fazer ou não queixa dela. Afinal a baixa era fraudulenta. Mas rapidamente percebi. Qual queixa, qual quê...antes ela a enganar os contribuintes portugueses (assim como assim, era só mais uma) do que ter aquela pessoa na escola a "ensinar"  duas dezenas de criancinhas que tinham todo o direito a melhor companhia. Assim como assim achei que a baixa psiquiátrica lhe assentava que nem uma luva...e optei por livrar as 20 criancinhas do martírio.

sinto-me:
publicado por uma E.E. às 20:34
link do post | COMENTAR | favorito
|
Segunda-feira, 17 de Julho de 2006

Ainda sobre euros - Refeições escolares

Não, não me vou sentir mal se algumas almas me confundirem com um "espírito neoliberal " ou qualquer outro epíteto do género, pois sei muito bem de que massa sou feita.

Apenas acho que se passamos a vida a levantar os dedos (indicador ou o médio, conforme o ânimo ) a alguns políticos, porque não nos facilitam a vida, então apetece-me prestar "um tributo" aos que me ajudam... e este Ministério da Educação tem-no feito.

Quero falar do preço das refeições (almoços) no 1.º ciclo da escola básica.

A escola frequentada pela minha criança, servia os almoços, fornecidos pela Santa Casa da Misericórdia, a um preço que nada tinha de misericordioso. Era coisa para uns € 2,25 cada refeição. Ora façam as contas...

No ano lectivo que agora terminou, graças ao Despacho n.º 22/251/2005 , este Ministério fez com que a mesma refeição, com a mesma qualidade, passasse a ter um custo de € 1,34! Significa  que reduziram os custos em 40% !

Além disso, este trabalho da Sra. Ministra, veio garantir o acesso ao fornecimento de refeições à generalidade dos alunos do 1.º ciclo, sendo que anteriormente a maioria dos alunos do 1.º ciclo nem tinham acesso às refeições escolares!

Por estas e por outras é que ultimamente me falta a paciência para ouvir alguns professores, alguns sindicatos dos professores e alguma oposição. Alguém ouviu uma palavra de constatação do trabalho bem feito? Eu não. Até parece que é comum neste país termos Governos que, de um dia para o outro, nos baixam o custo de alguma coisa...(sobretudo em 40%).

Só que, neste caso, nem estamos a falar de uma coisa qualquer. Por isso escuso-me a tecer comentários sobre a importância deste assunto...a importância das refeições para o sucesso escolar, etc., etc. É caso para perguntar a quem ficou calado com estas mudanças: - são só patetas ou também são anorécticos ? Os Srs. não almoçam?

Nota: Para quem me escreveu a perguntar se não achava caro €1,34 para um almoço (ai..eu) informo que existe uma coisa chamada Acção Social Escolar e que vigora em todo o território nacional...(!)
sinto-me:
publicado por uma E.E. às 22:37
link do post | COMENTAR | favorito
|
Domingo, 16 de Julho de 2006

Apenas algumas das mudanças no 1.º Ciclo: prolongamento do horário escolar

Sim, também vou falar de dinheiro.
E não puxem já dos cabelos naquela atitude à beira do histerismo tão vista nos últimos tempos da parte de alguns agentes educativos... dêem lá o beneficio da dúvida.

Neste ano lectivo que agora terminou, assisti a uma pequena revolução na escola do meu educando. Noutros posts falarei do papel dos professores nessa "revolução" e nos efeitos que essa nova vivência proporcionou aos alunos. Por agora vou "apenas" referir como a minha e outras carteiras foram afectadas por este Ministério e, da consequente melhoria na qualidade de vida - que se reflectiu na melhoria das condições de aprendizagem dos alunos.

PROLONGAMENTO DO HORÁRIO ESCOLAR

COMO ERA A SITUAÇÃO ANTERIOR

Até então, porque a escola fechava às 15h, alguns alunos, privilegiados , iam passar o resto do dia para casa. Ou porque um progenitor / outro parente não trabalhava fora de casa, ou porque havia uma empregada a ir buscar o aluno à escola, ou porque... eram filhos de professores. Seria dos horários dos pais?

Esses eram os privilegiados, mas convém  lembrar que também existia um pequeno número de alunos que iam para casa onde ficavam sozinhos largas horas, pois os pais estavam a trabalhar e não tinham condições económicas para sustentar as respostas privadas (e únicas até agora aqui na zona) para a ocupação daqueles tempos livres.

No meu caso, igual ao da maioria dos E.E ., o meu educando seguia para um A.T.L .
Muito bem: nesse espaço eram disponibilizadas aulas de Música, Inglês e Educação Física uma vez por semana, em dias alternados. Ainda sobrava tempo para muita brincadeira, artes plásticas e várias visitas de estudo e passeios.

Pessoalmente nunca me preocupei. A razão da minha criança ter de ir para um A.T.L . depois da escola terminar às 15h, não se prendia apenas e só com os horários profissionais, mas também com o meu conceito de "educação". Por exemplo, era fundamental para mim colmatar a ausência de Desporto Escolar, e as razões porque acho importantes as crianças terem noções de Música e de Inglês nestas tenras idades são tão evidentes que carecem de explicação...

Nunca tive a sensação de "depositar" a minha criança num espaço que apenas "cuidasse dele", mas sim a sensação excelente de o ver todos os dias a receber uma educação mais completa, sempre a despertar para novas realidades e experiências só possíveis de serem transmitidas por profissionais.

O carinho desta E.E . e dos outros parentes chegavam, como chegam hoje, ao fim da tarde, onde o acompanhamos ainda a outras actividades (faz dois desportos desde os 4 anos), depois fazemos os TPC e todas as outras rotinas até ao deitar.

Parece tudo bom, não é? E quanto custava ao orçamento familiar essa "educação mais global", não limitada aos currículos académicos " ? Ora, era coisa para uns 150 mensais. Se tivermos em conta que com o transporte da escola para o ATL a criança só chegava lá depois das 15h 30m (como eram muitos a carrinha fazia várias viagens), estamos a falar de umas 2 horas, duas horas e meia, passadas com o  A.T.L. Um bocadinho caro, não acham?  Talvez agora se perceba porque alguns pais eram obrigados a deixar as suas crianças largas horas sozinhas em casa... talvez agora se perceba porque há uns tempos atrás uma E.E ., que tem 3 filhos, me dizia: - sem ter horário de professor isto tornasse muito difícil!


COMO É A SITUAÇÃO ACTUAL

Actualmente estamos em férias escolares, mas durante todo o passado ano lectivo a situação mudou, e mudou para muito, muito melhor!

A escola passou a estar aberta até às 17h 30m para as actividades extracurriculares . Ver Despacho
A escola tem todas as condições físicas, de espaço, para ser aproveitada.
Há muitos professores sem horário completo e nas outras condições que o Ministério indica como aptos para serem afectos a este tipo de resposta.

Os "recursos humanos" é que na sua maioria, não gostaram nada da ideia! Infelizmente passaram-se episódios trágico-hilariantes que relatarei assim que puder. (Isto merece muita reflexão).

E, como prometi que neste post iria falar de dinheiro...já imaginam, não é? Todas as crianças do 3.º e 4.º anos (todas, se os pais assim decidirem, pois trata-se de uma actividade extracurricular , de frequência não obrigatória) passaram a ter aulas de Inglês, três vezes por semana, GRATUITAMENTE. Ver Despacho

Engraçado, ia falar de dinheiro e acabei por falar em IGUALDADE...o Estado, finalmente, ao cumprir o seu papel (aplicar o dinheiro dos nossos impostos ao serviço do cidadão), tornou acessível A TODAS as crianças aquilo que até este ano lectivo estava acessível APENAS A ALGUMAS...

Igualmente DE FORMA GRATUITA, a escola passou a fornecer tempos para  a Música, a Educação Física, as Artes Plásticas. As crianças passaram a ter acompanhamento na feitura dos TPC . (E, sobre os TPC falarei mais tarde).

Finalmente, vi a escola pública a tentar cumprir o ideal de escola.

Finalmente, senti que dentro do espaço da escola também há espaço e tempo para brincar, jogar, aprender coisas diferentes que não o mero currículo . Afinal, se a Escola Pública é opção para alguns (cada vez menos "alguns") é a ÚNICA SOLUÇÃO  para muitos (cada vez mais).

Finalmente senti que os nossos impostos andam a servir para alguma coisa...
sinto-me:
publicado por uma E.E. às 22:30
link do post | COMENTAR | ver comentários (2) | favorito
|

mais sobre mim

Menu

1.º ciclo

1.º post

Adenda ao 1.º Post

Associações de Pais

Avaliação

cavaco silva

cidadania

curiosidades

debate nacional sobre educação

encerramento de escolas

ensinar e meritocracia

escola

exames de Química 12.º

faltas

Ministra da Educação

mudanças

opinião

pais

parecer

paulo sucena

professores

prolongamento do horário

Refeições escolares

sindicatos

sondagem

tecnologias

todas as tags

Pesquisar neste blog

 

Setembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

subscrever feeds

blogs SAPO